A vida espiritual da família

Como superar os problemas da liderança
janeiro 16, 2018

Queremos abordar agora a vida espiritual no lar; isto envolve não só o casal, mas toda a família. Porém, nosso enfoque maior neste momento não são os filhos, e sim os cônjuges. Durante muito tempo, ao ensinarmos sobre o assunto, usamos a expressão “o sacerdócio no lar”, mas queremos começar corrigindo isso aqui. Muitas vezes propagamos conceitos equivocados, sem base bíblica, porque os recebemos sem questionar e acabamos levando adiante.

A Bíblia ensina que Jesus Cristo nos comprou com seu sangue para fazer de nós reis e sacerdotes (Apocalipse 5.9,10), o que nos faz compreender a visão do sacerdócio universal do crente. Diferente da ideia difundida pela Igreja em séculos anteriores, não temos duas categorias distintas na igreja: o clero e os leigos. Todos são sacerdotes e deveriam funcionar como tal. A Palavra de Deus distingue posições de governo dentro da Igreja Local, mas não limita o sacerdócio a uns poucos cristãos. Todo crente deve funcionar em seu lugar no Corpo de Cristo, e todos têm a responsabilidade de ministrar ao Senhor, bem como aos homens, em nome Dele. Esta visão tem sido resgatada desde a Reforma Protestante e ainda amadurece em nossos dias, e somos gratos a Deus por isso.

Contudo, no esforço de resgatar esta verdade, acabamos exagerando na dose. Falamos muito sobre o homem ser o sacerdote de seu lar e, na verdade, o que estamos fazendo é confundir o governo com o sacerdócio.

“Quero, entretanto, que saibais ser Cristo o cabeça de todo homem, e o homem, o cabeça da mulher, e Deus, o cabeça de Cristo” (I Coríntios 11.3).

A ordem de sujeição é clara na Bíblia: Deus é o cabeça de Cristo, Cristo é o cabeça do homem e o homem é o cabeça da (sua, não da dos outros) mulher. Este texto fala de governo e sujeição. Porém, por alguma razão, passamos a tratar como se falasse de sacerdócio, ensinando algo mais ou menos assim: Se Cristo, por ser cabeça do homem é seu sacerdote, logo o homem, por ser cabeça de sua mulher é sacerdote dela.

Se as coisas fossem exatamente assim, então a mulher não exerce sacerdócio sobre ninguém e Cristo não é sacerdote dela, só de seu marido! Em seu livro, “Casamento & Família”, publicado em português pela Graça Editorial, o Dr. Frederick Price fala acerca disso: “Eu percebo que esta possa ser uma revelação ou uma ideia revolucionária para você, mas o marido não é o cabeça espiritual da esposa. Muitas pessoas falam do marido como sendo o sumo sacerdote da família, o sacerdote da casa e assim por diante. Mas o marido não é o sacerdote da casa!… Toda pessoa nascida de novo é sacerdote e rei, independentemente do sexo, raça ou classe (I Pedro 2.5,9; Apocalipse 1.6).

O único cabeça espiritual em qualquer lar é Jesus. Jesus é o cabeça. Ele é o único Sumo Sacerdote. Nós somos em conjunto reis e sacerdotes porque somos o Corpo de Cristo. De outra forma, você estaria dizendo que Jesus é o sacerdote do homem, mas o homem é sacerdote da mulher! E isso coloca um ser humano entre as mulheres e Jesus, exatamente como no Velho Testamento, quando um sacerdote tinha que interceder entre os israelitas e Deus… Jesus é o Sumo Sacerdote de cada pessoa nascida de novo. Homem nenhum pode usurpar a autoridade do Sacerdote de todos os tempos. Se os homens não precisam de um sacerdote humano sobre eles, tampouco precisam as mulheres!” (Capítulo 6, páginas 71 e 72).

Portanto, cremos que tanto o marido como a esposa (e também os filhos) são todos sacerdotes que devem ministrar perante Deus e em favor uns dos outros. A única questão em que o homem se destaca é no governo do lar que lhe foi confiado. O fato de só o marido ser o cabeça do lar não significa que só ele seja sacerdote!

Fonte

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *