A Parábola do homem louco – Lc 12.16-21
setembro 24, 2014
Família, lugar da Glória de Deus
janeiro 21, 2015

Como qualquer outro texto na Bíblia esta história também deve ser interpretada no seu próprio contexto, a fim de entender as intenções originais do autor.

A história se desenrola seguido por um tumulto messiânico, (João 6:15). Em resposta Jesus imediatamente enviou seus discípulos para longe, enquanto ele despedia a multidão e subiu a um monte para orar.

Por que Jesus se evade diante de uma boa oportunidade? Ser o rei dos judeus com certeza soa impressionante. Essa não era a sua missão, no entanto. O plano de Deus para ele era sofrer e morrer para que fossemos salvos. Da mesma forma que Deus tem um plano para cada um de nós. Ele quer que nos abracemos o plano antes que ele possa nos abençoar.

Este capítulo nos ensina três princípios importantes sobre honrar o plano divino.

1. Distrações

Leia: Mateus 14:22-23

A. A multidão queria que Jesus reinasse sobre eles. Esta era certamente uma distração, porque não era o plano que o Pai tinha em mente para ele.

B. A resposta de Jesus foi em dobro. Ele imediatamente se afastou da fonte de distração (multidão) e foi diante de Deus em oração.

C. Seus princípios eram simples, mas poderosos. As distrações devem ser condenadas à morte, sem piedade. A oração ajuda a manter o foco.

2. Medo

Leitura: Mateus 14:24-31

A. Mateus, em seguida, volta-se para os discípulos no barco. O barco estava no meio do mar, açoitado pelas ondas porque o vento era muito forte.

B. Jesus estava treinando seus discípulos para continuar a sua missão depois que ele deixa esta terra. Ele queria ensinar-lhes uma lição.

C. Pedro saiu do barco na fé e andou sobre as águas, logo o medo entrou em sua mente e assumiu o controle. O medo é o inimigo da fé.

3. Adorar

A. Os discípulos também queriam fazer Jesus rei sobre eles. O milagre no mar, porém lembrou-lhes que Jesus tem um propósito muito maior.

B. Eles imediatamente caíram diante de Jesus em adoração como um símbolo de se colocar por inteiros à disposição da vontade e do plano de Deus.

C. A adoração deve ser sincera. O verdadeiro adorador reconhece a superioridade da vontade de Deus.

Implicações

I. Evadir as distrações: Jeremias 29:11 diz que Deus tem planos para nos prosperar, nos dá esperança e um futuro. No reino de Deus, porém o sofrimento precede as bênçãos, (Filipenses 2:9-11) e Satanás sempre nos apresenta uma distração.

As distrações fornece um caminho mais fácil, mas contradiz o plano original de Deus e impede o resultado pretendido.

Portanto, os filhos de Deus devem orar e descartar todas as fontes de distração

II. Dominar os seus medos: Assim como Pedro todos nós começamos com fé e um grande senso de excitação (salvação), mas, logo o medo toma controle sobre nós no meio do caminho através de vento violento e águas tempestuosas.

Em tempos como tal, temos de continuar a caminhar na fé, porque é a única maneira de dominar os medos, Satanás tenta nos levar para longe da vontade de Deus.

III. Adorá-lo: a maioria de nós acredita que adoração é cantar hinos no culto de domingo a noite, com as mãos levantadas.

Bem, não é tão simples.

Isso é apenas uma parte da verdadeira adoração. Se você realmente o adora, você precisa reconhecer o senhorio de Jesus e entregar sua vida inteiramente à sua vontade. (Os discípulos, em contraste com a pergunta formulada no incidente do barco / tempestade em Mateus 8:27 disse: “Verdadeiramente és filho de Deus”)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *