Procura-se servos – Marcos 10.35-45
fevereiro 22, 2016
Combati o bom combate e não perdi a fé – 2 Tm 4.6-8
maio 11, 2016

Todos nós temos os nossos desejos, os nossos sonhos e aspirações e eles não são obrigatoriamente pecaminosos. Porém, sabemos que existem desejos que são puramente carnais, malignos e pecaminosos e esses sim devem ser dominados, freados e abandonados.

Temos neste relato bíblico o primeiro assassinato do planeta terra e foi um fratricídio terrível. Caim, não refreando o desejo maligno e perverso da sua carne, matou seu próprio irmão. Temos muitos desejos que devem ser refreados, dominados, a fim de que não venhamos a sofrer as conseqüências do nosso pecado. Vejamos como podemos lidar com esses desejos da carne.

Ouvindo o conselho de Deus

Deus que sempre acompanha o homem desde o Éden, pela Sua onisciência percebeu que Caim estava prestes a cometer um terrível pecado e então, desceu até ele e deu-lhe um conselho: “…sobre ti será o seu desejo; mas sobre ele tu deves dominar” (Gn 4:7).

Deus estava dizendo para Caim que era possível, sim, ele dominar o desejo desesperado e descontrolado pelo pecado. Deus nos fez com a capacidade de dominar sobre todas as coisas, inclusive dominar os nossos desejos e vontades. Se quisermos, podemos dominar os nossos desejos. Mas Caim não quis dominar o seu desejo e matou seu irmão Abel.

Os conselhos de Deus são sempre para o nosso bem, visando a nossa felicidade. Quem aceita o conselho de Deus, vive feliz, mas que não aceita, sofre as conseqüências dos seus próprios erros e desejos pecaminosos. Temos em Jesus um grande conselho de Deus: Creia em Jesus como seu Salvador (João 3:16-18)!

Dominando nossa carne

Caim travou uma luta contra a sua própria carne que desejava, assassinar o seu próprio irmão Abel. Ele ficou com o seu semblante caído e irou-se fortemente (Gn 4:5). Tudo isso era a expressão da sua carne que estava em luta, forçando e tentando dominar Caim para que ele cumprisse o desejo da carne. E por fim, sabemos quem ganhou essa luta, pois Caim matou Abel e atraiu sobre si maldição.

Você já travou alguma luta na sua carne? Claro que sim. Todos nós temos travado as nossas lutas na carne. A carne luta contra o domínio do Espírito Santo em nossas vidas (Gl 5:17). Ela tenta nos puxar para o pecado, para os prazeres que desagradam a Deus. A nossa carne luta contra a nossa conversão a Cristo. E por falar nisso, você já venceu essa luta? Você já se rendeu a Cristo.

Trabalhando as emoções

O desequilíbrio emocional de Caim denunciado pelo seu semblante caído, a sua ira estampada no rosto e depois o terrível fratricídio que ele cometeu, tinha a ver com a inveja do seu irmão por uma questão envolvendo uma oferta a Deus.

Enquanto Abel soube ofertar corretamente, Caim ainda precisava aprender sobre a oferta de primícias, mas precisava principalmente aprender a trabalhar e a controlar as suas emoções. Tem muita gente boa, com grande potencial de conquista, mas que não sabe trabalhar as suas emoções e são como crianças.

A Bíblia diz que “quem facilmente se ira fará doidices” (Pv 14:17) e aquele que não consegue dominar as suas emoções é comparado a uma cidade derrubada que não tem muros (Pv 25:28). Em Jesus, temos ensinamento, correção e discipulado para dominar as nossas emoções. Convide Jesus para ser Senhor da sua vida e Ele controlará, dominará as suas emoções e a sua vida.

CONCLUSÃO: Todos nós estamos sujeitos aos mais diversos desejos da carne, mas não somos obrigados a atender a esses desejos e caprichos carnais. Temos o nosso livre arbítrio para dizer sim ou dizer não ao pecado.
Jesus é o nosso grande Ajudador que nos livrará do poder e do domínio da carne (Rm 7:20-25). E em Jesus temos a libertação do domínio do pecado (Rm 6:14-23). Entregue os seus desejos, os seus sonhos, as suas vontades e a sua vida a Jesus e Ele te abençoará, perdoará os seus pecados e te dará vida eterna, vida em abundância!
Relatório de células
Líder

Fratricida – A pessoa que assassina ou promove a ruína de outras pessoas, quase tão queridas como irmãs;

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *