Pentecostes
junho 9, 2014
Aprendendo a viver pela fé – II Co 4:13-18
junho 25, 2014

A festa da colheita guarda espaço significativo no calendário judaico, é também chamada Festa das Primícias, sendo lembrança dos atos poderosos de Deus, na doação da terra, na proteção em meio à conquista, na unificação das tribos, na criação de um povo que levasse o nome do Eterno.

I – OPORTUNIDADE DE FAZER JUSTIÇA SOCIAL:

É uma oportunidade dada por Deus de reparar as desigualdades, de diminuir a fome e o desamparo, e de atender o órfão e a viúva e o estrangeiro. Na festa da colheita se oferece algo para Deus, um cordeiro sem mancha, de um ano a nossa Primícia e ofertas de manjares.

Serão cinqüenta dias de celebração, dias de alegria onde a presença de Deus é invocada sistematicamente como referencial de que nesse período nossa gratidão pelos atos de Deus em favor do povo aumentaria.

II – UMA FESTA DE ALEGRIA:

Pentecostes é a festa da alegria; é da natureza do ser humano a necessidade de alegrar-se, sobretudo coletivamente. A alegria torna o rosto formoso já dizia a Escritura, ela invade a alma e causa momentos de satisfação que se traduzem em vontade de avançar na vida, na carreira, nos negócios, na relação familiar.

A tristeza restringe nossas ações, desanima nosso caminhar, causa um mau estar capaz de forçar-nos a desistir. A melhor festa se dá diante do Senhor; o judeu entende que a dança, a comida ,a bebida e a religiosidade são parte do mesmo todo.

III – OPORTUNIDADE DE AGRADECER:

Estar feliz é cantar e proclamar as virtudes daquele que mudou a nossa sorte, portanto o judeu exclamava com alegria: eu era arameu errante, no entanto o Senhor com sua mão forte nos conduziu para uma terra que mana leite e mel, por isso com alegria, trago o meu dízimo diante do Senhor.

IV – TRANSFORMANDO NOSSA CASA:

A festa da colheita ou das primícias, hoje chamada preferencialmente de Pentecostes, pode transformar em cinqüenta dias de festa, a nossa casa, o nosso bairro, a nossa igreja. Cinqüenta dias de perdão, de atos de bondade e misericórdia; esta festa pode fazer em cinqüenta dias o que o ser humano tem tentado fazer por milhares de anos, ou seja, criar momentos de paz, criar paraísos temporários na terra.

CONCLUSÃO:

O coração sincero estabelece um período de louvor pleno, de gratidão não interrupta, de alegria que manda a tristeza embora. O Pentecostes hoje pode vir a ser uma festa que une os cristãos, que nos torna mais participativos, mais amigos, mais cooperantes.

A dança, a alimentação, a alegria certamente não faltarão nessa festa. Por uma nova festa da colheita e das primícias, por uma nova festa do Pentecostes que uma a Cristandade. Aleluia!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *